Como entender e encaminhar um caso prático

Estudar casos é um trabalho minucioso. Os itens e as perguntas apresentadas anteriormente são o esboço de um roteiro de preocupações que devem guiar a ação de um conselheiro tutelar. Certamente, outras perguntas e preocupações irão surgir diante de cada caso específico.

Para melhor estudo e compreensão de um caso, muitas vezes será necessária a atuação de um profissional habilitado para trabalhos técnicos especializados:

  • Psicólogo: estudo e parecer psicológico.
  • Pedagogo: estudo e parecer pedagógico.
  • Assistente social: estudo e parecer social.
  • Médico: atendimento e avaliações médicas

O Conselheiro Tutelar, para completar suas observações e análises e fundamentar suas decisões, deverá requisitar os serviços especializados dos profissionais citados e de outros . O importante é um estudo preciso e completo do caso que precisa de atendimento.

Encaminhar um caso
É aplicar uma ou mais medidas protetivas que atuem diretamente nos focos desencadeadores da ameaça ou violação dos direitos da criança ou do adolescente, devendo o Conselho Tutelar requisitar, sempre que necessário, os serviços públicos nas áreas de Saúde, Educação, Serviço Social, Previdência, Trabalho e Segurança, indispensáveis ao correto encaminhamento de soluções para cada caso. Encaminhar um caso pode significar também a aplicação de medidas pertinentes aos pais ou responsável pela criança ou adolescente, o que, muitas vezes, torna-se vital para o completo atendimento da criança ou adolescente.

Acompanhar o caso
É garantir o cumprimento das medidas protetivas aplicadas e zelar pela efetividade do atendimento prestado, evitando que qualquer uma das partes envolvidas (família, escola, hospital, entidade assistencial e outras) deixe de cumprir suas obrigações, fazendo romper a rede de ações que sustentam o bom andamento de cada caso específico. O bom acompanhamento de caso, feito em parceria com outros atores comunitários e o poder público, dá ao Conselho Tutelar condições de verificar o resultado do atendimento e, se necessário, aplicar novas medidas que o caso requerer.

O Conselho Tutelar não precisa especializar-se em acompanhamento de casos, podendo fazer este trabalho por meio de associações comunitárias, igrejas, entidades de atendimento e órgãos públicos de atenção à criança - aos quais requisitará, periodicamente, relatórios sobre o desenvolvimento dos casos.

Saber manejar a Metodologia de Atendimento Social de Casos é no entanto, fundamental para o trabalho do Conselho Tutelar: receber, estudar, encaminhar e acompanhar casos, buscando superar as situações de ameaças ou violações dos direitos de crianças e adolescentes, com a aplicação das medidas protetivas adequadas.

[Fonte: Fundação Telefônica - Promenino]

 

« Página anterior [ Índice ] Próxima página »

 

Matérias relacionadas:   (links internos)
»   Conselho Tutelar: Capacitação de conselheiros
»   Conselho Tutelar: Processo Unificado de Escolha
»   Conselho Tutelar

Notícias relacionadas:   (links internos)
»   (25/08/2015) CONSELHO TUTELAR - Imagens para divulgação das eleições unificadas
»   (18/08/2015) CONSELHO TUTELAR - MPCE pede revisão de critérios para candidatos ao Conselho Tutelar
»   (01/04/2015) CONSELHO TUTELAR - Lançada cartilha sobre eleições gerais
»   (02/10/2014) CONSELHO TUTELAR - Recomendação sobre o processo unificado de escolha de conselheiros tutelares
»   (18/07/2014) CONANDA - Recomendação sobre o processo unificado de escolha de conselheiros tutelares

Referências:   (links externos)
»   Fundação Telefônica - Promenino

 

 

Recomendar esta página via e-mail: