Criação do Conselho Tutelar

A criação do(s) Conselho(s) Tutelar(es) será por meio de Lei Municipal, que deverá também disciplinar o processo de escolha dos conselheiros tutelares pela comunidade local.

ECA
Art. 132 -
“Em cada Município haverá, no mínimo, um Conselho Tutelar composto de cinco membros, escolhidos pela comunidade local para mandato de três anos, permitida uma recondução.”

O processo de escolha deverá ser conduzido pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – que deve ser criado e estar funcionando antes do(s) Conselho(s) Tutelar(es).

Uma sugestão importante:
É recomendável que o Município crie numa mesma lei (amplamente discutida com a sociedade) o seu Conselho de Direitos, o seu Fundo Municipal e o(s) seu(s) Conselho(s) Tutelar(s) e defina as diretrizes de sua política municipal de atendimento à criança e ao adolescente. É um passo importante para a organização da proteção integral no Município.

A iniciativa da Lei de Criação do(s) Conselho(s) Tutelar(es) é do Poder Executivo local, uma vez que ela cria despesas para o Município. Isto não significa, contudo, que o Executivo atuará solitariamente. A elaboração da Lei, bem como a criação e o funcionamento do(s) Conselho(s) Tutelar(es) pressupõe ampla participação da comunidade local: associações de moradores, entidades assistenciais, lideranças políticas, religiosas e empresariais, pais, educadores, movimentos comunitários e todos aqueles dispostos a contribuir para a proteção integral das crianças e adolescentes do município.

A Lei Municipal disciplinará e o Executivo Municipal deverá garantir ao(s) Conselho(s) Tutelar(es) as condições para o seu correto funcionamento: instalações físicas, equipamentos, apoio administrativo, transporte e outros suportes que devem ser definidos de acordo com as demandas e possibilidades de cada Município. A remuneração dos conselheiros tutelares – uma vez definida na Lei Municipal e com recursos previstos na Lei Orçamentária Municipal – deverá ser proporcional à complexidade e extensão do trabalho a ser executado e também proporcional à escala de vencimentos do funcionalismo público municipal.

 

Formando o Conselho Tutelar

De acordo com a extensão do Município e a complexidade de suas demandas de atendimento à criança e ao adolescente, será definido e disciplinado na Lei Municipal o número de Conselhos Tutelares adequado à sua realidade.

No mínimo, um Conselho Tutelar é obrigatório para todos os municípios. A existência de mais Conselhos Tutelares deve ser debatida e decidida à luz das reais necessidades e possibilidades municipais.

Cada Conselho Tutelar deverá ser composto de 05 (cinco) membros escolhidos pela comunidade local, para mandato de 04 (quatro) anos, sendo permitida uma recondução ao cargo.

[Fonte: Fundação Telefônica - Promenino]

 

« Página anterior [ Índice ] Próxima página »

 

Matérias relacionadas:   (links internos)
»   Conselho Tutelar: Capacitação de conselheiros
»   Conselho Tutelar: Processo Unificado de Escolha
»   Conselho Tutelar

Notícias relacionadas:   (links internos)
»   (25/08/2015) CONSELHO TUTELAR - Imagens para divulgação das eleições unificadas
»   (18/08/2015) CONSELHO TUTELAR - MPCE pede revisão de critérios para candidatos ao Conselho Tutelar
»   (01/04/2015) CONSELHO TUTELAR - Lançada cartilha sobre eleições gerais
»   (02/10/2014) CONSELHO TUTELAR - Recomendação sobre o processo unificado de escolha de conselheiros tutelares
»   (18/07/2014) CONANDA - Recomendação sobre o processo unificado de escolha de conselheiros tutelares

Referências:   (links externos)
»   Fundação Telefônica - Promenino

 

 

Recomendar esta página via e-mail: