• Criança

Ofício CAOPCA nº 222/2009 - Saídas de abrigos em final de ano

Ofício nº 222/2009 Curitiba, 16 de dezembro de 2009

 

Prezado(a) colega,

 

Tendo em vista algumas consultas recebidas por este Centro de Apoio quanto à possibilidade da retirada de crianças e adolescentes que se encontram em regime de acolhimento institucional em todo estado do Paraná, para passar as festas de final de ano na casa de seus pais, parentes ou mesmo de terceiros, vimos externar a posição deste órgão nos seguintes termos:

1 - A retirada de crianças e adolescentes pelos seus pais ou integrantes de sua família extensa para com eles passar as festas de final de ano, ressalvada a existência de ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária em contrário, é perfeitamente possível, encontrando respaldo no disposto nos arts. 92, inciso I e §4º, 100, caput e par. único, incisos IX e X e 101, §§4º a 7º, todos da Lei nº 8.069/90, fazendo parte do processo de reintegração familiar a ser desencadeado junto a todas as crianças e adolescentes institucionalizadas, ex vi do disposto nos art. 19, caput e §3º, do mesmo Diploma Legal.

Necessário, no entanto, que a retirada da criança por seus pais ou familiares seja precedida de uma avaliação técnica criteriosa e de um trabalho de orientação e preparação de todos os interessados, observado o disposto nos arts. 28, §§1º e 5º (por analogia), 92, inciso VIII e 100, par. único, incisos IX e X, da Lei nº 8.069/90, a partir de uma articulação de ações entre os técnicos que prestam serviço à entidade de acolhimento [nota 1] e os técnicos lotados nos órgãos públicos encarregados da execução da política municipal destinada à garantia do direito à convivência familiar (ex vi do disposto nos arts. 86 e 88, inciso VI, da Lei nº 8.069/90), que deverão definir as atividades a serem desenvolvidas pelas famílias, como parte do processo de reintegração familiar, nos moldes do disposto no art. 101, §§5º a 7º, da Lei nº 8.069/90.

Necessário ainda o acompanhamento posterior do caso (também por analogia do contido no citado art. 28, §5º, da Lei nº 8.069/90), tanto por parte da entidade, dos responsáveis pela execução da política de atendimento à criança e adolescente no município, quanto pelo Conselho Tutelar, na perspectiva de evitar possíveis problemas durante a execução da medida.

É preciso ter em mente que cada caso é um caso, e deve ser analisado com critério e cautela, respeitadas suas peculiaridades, até porque a reintegração familiar deve ser vista como um verdadeiro "processo" a ser obrigatoriamente desencadeado pelas entidades de acolhimento, com apoio dos órgãos encarregados pela política municipal de atendimento à criança e ao adolescente (que tanto por força da lei quanto da Constituição Federal devem desenvolver um trabalho também junto às suas famílias), que pode ser mais ou menos demorado, a depender de diversos fatores.

Vale dizer que a autorização judicial para tais saídas, ressalvados os já mencionados casos em que há restrição expressa e fundamentada do contato entre pais e filhos, a rigor é desnecessária (valendo neste aspecto citar, por analogia, o disposto no art. 121, §1º, da Lei nº 8.069/90 [nota 2]), porém sua comunicação à autoridade judiciária (e ao Ministério Público) é obrigatória e deve ser devidamente motivada, em razão da necessidade de controle judicial do ato.

 

2 - Situação diversa ocorre em relação à retirada das crianças ou adolescentes por terceiros com os quais aquelas não possuem vínculos, que não raro se oferecem como "voluntários" para levar consigo crianças ou adolescentes em regime de acolhimento institucional para passar as festas de final de ano em suas casas.

Desnecessário dizer que colocar crianças e adolescentes, ainda que temporariamente, aos cuidados de pessoas ou casais que não tenham sido previamente submetidos a uma avaliação técnica interprofissional, nem devidamente orientados e preparados para semelhante encargo é, no mínimo, uma enorme temeridade, posto que pode resultar em traumas e outras situações danosas àqueles que se pretendia beneficiar com a medida.

A autorização para tais saídas somente poderá ser efetuada pela autoridade judiciária (cf. art. 30, da Lei nº 8.069/90), tendo como verdadeiro pressuposto a existência de um programa de atendimento do tipo "apadrinhamento afetivo" ou similar, devidamente registrado no Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente Local (cf. art. 90, §1º, da Lei nº 8.069/90), em que conste obrigatoriamente a descrição da forma de seleção, preparo/qualificação e cadastramento das pessoas interessadas, deveres a serem assumidos para com as crianças e adolescentes acolhidas/apadrinhadas, preparação destas para o contato com as famílias e seu posterior retorno, assim como determinadas recomendações e vedações expressas, tudo devidamente justificado sob o ponto de vista técnico.

Apenas pessoas ou casais devidamente habilitados e cadastrados podem receber as crianças e adolescentes acolhidas, e somente deverão ser encaminhadas para o programa aquelas crianças e adolescentes que possuírem o "perfil" considerado adequado, a partir e da devida preparação e de uma avaliação criteriosa por parte dos técnicos da entidade de acolhimento, em parceria com técnicos lotados nos órgãos públicos encarregados da execução da política municipal destinada à garantia do direito à convivência familiar (mais uma vez por força do disposto nos arts. 86 e 88, inciso VI, da Lei nº 8.069/90).

Tais cautelas, somadas às demais referidas no item anterior, destinam-se a evitar que sejam criadas falsas expectativas de adoção (embora o apadrinhamento afetivo possa, no futuro, resultar na concretização da medida), que podem gerar traumas e revolta, razão pela qual devem fazer parte de todo um planejamento, elaborado a partir de um estudo criterioso levado a efeito por profissionais qualificados.

Nos municípios que ainda [nota 3] não possuem semelhantes programas em execução, a retirada de crianças e adolescentes por terceiros das instituições de acolhimento, para as festas de final de ano, não deve ser autorizada, sem prejuízo da possibilidade de realização de visitas às entidades por voluntários e/ou da sempre salutar visita das crianças e adolescentes acolhidos a outros espaços de convivência comunitária (em observância ao disposto no art. 92, incisos VII e IX, da Lei nº 8.069/90), como parte de um calendário de atividades alusivas às festas de final de ano, o que também não prescinde de um planejamento por parte dos técnicos da entidade de acolhimento, em parceria com técnicos lotados nos órgãos públicos encarregados da execução da política municipal destinada à garantia do direito à convivência familiar, assim como da orientação das pessoas que irão interagir com os acolhidos, pelas mesmas razões anteriormente ventiladas.

 

3 - Em qualquer caso, é fundamental realizar um trabalho de preparação junto às crianças e adolescentes acolhidas que não terão condições de passar as festas de final de ano com seus pais, parentes ou terceiros, assim como fazer com que aqueles que irão retirar as crianças e adolescentes das entidades (seja, pais, parentes ou terceiros), assinem um "termo de compromisso" quanto a seus deveres e vedações, que deverá também contemplar a obrigação de restituição da criança ou adolescente, dentro do prazo estipulado (que pode variar de caso a caso), tudo com a devida comunicação à autoridade judiciária.

 

Na perspectiva de auxiliar os(as) colegas, elaboramos uma minuta de recomendação administrativa relativa à matéria, que pode ser expedida tanto às entidades de acolhimento institucional quanto ao Conselho Tutelar e outros órgãos com atuação na área da infância e da juventude na comarca, cujo texto segue em anexo ao presente expediente. [mod_recom_adm_saida_abrigo_fim_de_ano.doc]

Mais uma vez convidamos os(as) colegas a visitarem o tópico relativo à nova "Lei de Adoção" que publicamos na página do nosso CAOPCA na internet, onde constam outros modelos de peças processuais, extraprocessuais e de projetos a serem desenvolvidos pelos municípios no sentido da plena efetivação do direito à convivência familiar por todas as crianças e adolescentes paranaenses.

 

Sem mais para o momento, renovamos votos de elevada estima e distinta consideração.

 

LUCIANA LINERO
Promotora de Justiça
 
MURILLO JOSÉ DIGIÁCOMO
Promotor de Justiça
 

Notas do texto:

1 Que se não tiver uma equipe técnica exclusiva, deve se servir do suporte técnico dos profissionais que atuam junto à "rede de proteção" à criança e ao adolescente (e da política destinada à garantia do direito à convivência familiar) que todo município tem o dever de instituir.

2 Que mesmo quando da execução da medida socioeducativa de internação prevê a possibilidade de realização de atividades externas pelo adolescente, independentemente de autorização judicial, a critério da equipe técnica da entidade de internação, ressalvada a existência de ordem expressa e fundamentada da autoridade judiciária em sentido contrário.

3 Como decorrência das inovações legislativas introduzidas ao Estatuto da Criança e do Adolescente pela Lei nº 12.010/2009, espera-se que, em breve, todos os municípios os possuam, como parte da política municipal destinada à garantia do direito à convivência familiar, cuja implementação é obrigatória, sob pena de responsabilidade do gestor público (cf. arts. 87, inciso VI, 88, inciso VI e 208, inciso IX, da Lei nº 8.069/90.

 

Matérias relacionadas: (link interno)
»  Nova Lei Nacional de Adoção - Índice de materiais de apoio

Referências: (link externo)
»  ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei nº 8.069/1990 (13 JUL 1990)

Download: (modelo)
»  Recomendação Administrativa - Saída de abrigos para festas de final de ano
Modelo de recomendação administrativa - pedidos de retirada de crianças e adolescentes em regime de acolhimento institucional pelos pais, familiares ou terceiros, para as festas de final de ano.
(formato: DOC - tamanho: 44KB)

Recomendar esta página via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem